Com a previsão de chegada de doses, a Secretaria Municipal de Saúde do Rio anunciou na tarde desta segunda-feira a retomada do calendário de vacinação contra a covid-19. A aplicação de primeira dose será realizada a partir da próxima quarta-feira, dia 28, para mulheres de 34 anos pela manhã e homens da mesma idade à tarde.

Na quinta-feira, a vacinação será destinada às mulheres de 33 anos e, na sexta, aos homens desta mesma idade. A SMS reforça que quinta e sexta também são dias de repescagem por idade à tarde. No sábado, a repescagem também está garantida para pessoas com 33 anos ou mais.

O prefeito Eduardo Paes reforçou que a prefeitura vai manter as idades previstas para essa semana. “Se não houver mais falhas na entrega, nas próximas 3 semanas teremos todos – TODOS – os cariocas acima de 18 anos devidamente imunizados com a primeira dose! Bora distribuir acelerado!”, escreveu em sua conta no Twitter.

O Ministério da Saúde anunciou o envio de nova remessa de vacinas contra a covid-19 para os estados ainda hoje, em seguida, cabe à Secretaria de Estado de Saúde distribuir as doses aos 92 municípios fluminenses.
No início da tarde, Paes disse que recebeu um telefonema do departamento de logística do Ministério da Saúde informando sobre a antecipação da entrega dos imunizantes. O prefeito do Rio agradeceu publicamente o apoio do ministro Marcelo Queiroga.

“Acabamos de receber uma ligação do departamento de logística do Ministério da Saúde que nos informou estar adiantando as entregas desta semana para a noite de hoje. Agradeço muito a parceria do ministro Marcelo Queiroga na aceleração desse processo”, afirmou Paes por meio de sua conta no Twitter.

Via Twitter, o Ministério da Saúde informou que será distribuído para todo o Brasil, a partir de hoje até os próximos três dias, aproximadamente 10,2 milhões de doses.

A Secretaria Estadual de Saúde do Rio informou que de acordo com informações do Ministério da Saúde, o estado deverá receber a partir desta segunda-feira (26.07) 266.600 doses de Coronavac para primeira e segunda aplicação e 139.400 de Oxford/Astrazeneca para segunda dose e 177.840 dose de Pfizer para primeira e segunda aplicação. A distribuição do imunizante aos municípios está programada para esta terça (27.07) e quarta-feira (28.07).

No Estado do Rio, a capital interrompeu a vacinação com a primeira dose por falta de vacinas desde sexta. Na Região Metropolitana, os municípios de Nova Iguaçu, Itaboraí e Duque de Caxias informaram que estão com os estoques no limite e que podem interromper a campanha caso não sejam enviados novos lotes de vacina para os próximos dias.

Rio deixou de vacinar 50 mil

De acordo com o secretário municipal da Saúde, Daniel Soranz, a capital deixou de vacinar 50 mil pessoas desde quando foi feito a paralisação.


“[O município do Rio] deixou de vacinar mais ou menos umas 50 mil pessoas, 30 mil hoje e 20 mil no sábado (23)”, afirmou Soranz.

Na última quarta-feira (21), Soranz tinha mencionado que um dos desafios que deveriam ser enfrentados no Rio seria o de estreitar o alinhamento com o Ministério da Saúde para acelerar a distribuição de doses. O secretário defende que o Governo Federal entregue em 24 horas as vacinas para a capital fluminense. Ele ressaltou que a Fiocruz já adota essa estratégia, o que permitiu a aceleração da campanha de vacinação na cidade.
FOTOGALERIA

Posto Heitor Beltrão, na Tijuca - Robson Moreira

Preocupação dos cariocasA cidade do Rio, devido à falta de doses, está aplicando, nesta semana, apenas a segunda dose da vacina contra a covid-19. A dona Vera Salgado, que recebeu a segunda dose da AstraZeneca, nesta segunda-feira, no Posto Heitor Beltrão, Tijuca, Zona Norte, contou ao DIA que está preocupada com o atraso no calendário de vacinação por causa do avanço da variante Delta.

“Eu estou vacinada, mas o percentual de vacina tem que chegar em 70% para a gente estar numa zona um pouco mais confortável, e, com essas variantes vindo, a gente não sabe como é que vai se comportar dentro de um Brasil, um país tropical, que tem uma diferenciação muito grande, então essa falta de vacina é uma coisa que me preocupa muito, mas preocupa todo mundo e também a gente fica sentindo muito agoniado”.

Para Vera, além da crise sanitária, o país ainda passa por uma crise política. “Infelizmente, estamos vivendo um momento político de total desgoverno, total desconsideração à vida, eu me sinto, assim, ultrajada, porque eu lutei muito pra gente ter um Brasil digno, onde as dignidades das pessoas está sendo afetada, então assim, isso eu acho que é o pior que poderia ter nos acontecido”.


Paes cobra terceira dose para idosos

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, aproveitou para cobrar do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a decisão de se vacinar com uma terceira dose os idosos contra a covid-19. O prefeito cumprimentava Queiroga pela decisão de completar a imunização de gestantes vacinadas com AstraZeneca, preferencialmente, com vacinas da Pfizer, mas também com a Coronavac. “Tá na hora de avançar também na decisão de, em setembro, aplicar a terceira dose nos idosos. Vamos salvar vidas!”, escreveu Paes.