Saque de R$ 1 mil do FGTS não altera multa de 40% em caso de demissão

Veja também

O anúncio do Governo Federal liberando o saque extraordinário do Fundo de Garantia de Tempo de Serviço, o FGTS, caiu como luva para muitos brasileiros.

Leia: Homem faz pedido de casamento, em rede de fast food, e mulher recusa

No entanto, pairava dúvidas sobre o “saque extraordinário”, que não é o mesmo que “saque-aniversário”, sobre como ficaria, em caso de uma futura demissão, a situação do trabalhador.

Certamente, por lei, quando um funcionário é mandado embora (sem justa causa), o empregador é obrigado a pagar 40% do total que ele depositou na conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço.

Por exemplo, se um colaborador tinha R$ 5 mil de FGTS e tirou este valor para tratar alguma doença, e depois ele acumulou mais R$ 3 mil de FGTS, a empresa deverá calcular a multa dos 40% em cima dos R$ 7 mil, que é a soma dos R$ 5 mil que ele tirou, mais os R$ 3 mil que ele acumulou após o “saque” (dos R$ 5 mil).

Todavia, o saque extraordinário já está liberado. Entretanto, a Caixa Econômica Federal, que é a instituição pagadora, divulgou um calendário que pode ser conferido por meio do aplicativo MEU FGTS.

Além disso, é possível conferir o saldo das contas ativas e/ou inativas por meio desse aplicativo, que está disponível para Android e iOS.

Mais Notícias

Spdm anuncia vagas para o Hospital Pedro II, em Santa Cruz

Emprego - A Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM) está com o processo seletivo aberto para cargos...

Mais artigos como este

Spdm anuncia vagas em Santa Cruz, Zona Oeste do Rio Abundância de Gracyanne Barbosa choca a web Frente fria histórica vai derrubar a temperatura no Brasil Coca-Cola e Grupo Macro abrem vagas no Rio Frente fria deixa Rio em estágio de mobilização